PACIENTE PARALISADO FAZ MOVIMENTOS NATURAIS UTILIZANDO ROBÓTICA E O PODER DO PENSAMENTO


Paciente Paralisado faz movimentos naturais utilizando robótica e o poder do pensamento
  


Erik Sorto, de 34 anos, foi paralisado do pescoço para baixo nos últimos 13 anos. No entanto, graças a um ensaio clínico inovador, ele tem sido capaz de beber sem problemas uma garrafa de cerveja usando um braço robótico controlado com sua mente. Ele é o primeiro paciente com um dispositivo protético implantado na rede neural.
Tragicamente, por motivo de doenças ou lesões, milhões de pessoas perderam a capacidade de sentir e movimentar seus corpos. Nos últimos anos, variados estudos têm mostrado que é possível registrar a atividade cerebral de tais indivíduos e usar essas informações para restaurar a capacidade de movimento. Os sinais registrados a partir do córtex motor primário – uma parte do cérebro que é necessário para o controle do movimento – têm sido utilizado para controlar dispositivos externos, tais como um cursor num ecrã de computador, e até mesmo vários tipos de braços robóticos.
No entanto, estes tipos de dispositivos muitas vezes resultam em atraso, o que poderia significar que esses sinais cerebrais podem não ser as melhores para serem usados. Como a investigação nesta área continua a se mover para a frente, novas possibilidades estão sendo exploradas. A última medição do estudo dos neurônios – as células cerebrais – em uma parte do cérebro chamada córtex parietal posterior, acreditado para representar as intenções de ação, resultou em um movimento mais intuitivo – mesmo permitindo Sorto jogar pedra, papel e tesoura.
image-20150522-32572-1va3br5
Neste novo estudo, a informação gravada a partir dos neurônios no córtex parietal posterior foi usado para controlar as operações de uma interface de computador e de vídeo. Os pesquisadores usaram primeiramente a ressonância magnética de imagem para identificar as áreas cerebrais em Sorto que tinham sofrido uma lesão medular, devido a uma arma de fogo 10 anos antes do estudo, e como resultado, Sorto é incapaz de se mover ou sentir seus braços e pernas.
Os resultados mostraram que o paciente poderia voluntariamente controlar a atividade dos neurônios individualmente. Algumas destas células reagiram de uma forma extremamente específica. Por exemplo, uma célula poderia mostrar o aumento ou a diminuição da atividade quando Sorto imaginava mover a mão até a sua boca, mas não quando ele imaginou mover sua mão até o seu queixo ou até o ouvido.
Os fãs dos filmes de Star Wars irão recordar da cena do Império Contra-Ataca quando Luke Skywalker sente sua nova mão cibernética, pela primeira vez. Embora ainda um longo caminho para que pacientes que são incapazes de mover o seu corpo, este novo progresso é um tremendo passo. E ele certamente tem o potencial de revolucionar a pesquisa no campo.

Fonte: The ConversationFnews
http://climatologiageografica.com/bracos-roboticos-em-paciente-paralisado/#ixzz3blP2U5tW